domingo, dezembro 16, 2012

Apenas três notas


http://impresso.jornaldamadeira.pt/opiniao.php?Seccao=12&id=233316&sdata=2012-12-16



1. Visita do Secretário Estado dos Assuntos Parlamentares à Madeira
São claros os propósitos do Governo da República quanto aos órgãos de governo próprio da Região Autónoma da Madeira. Numa encenação política, o Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares visita a Madeira, coincidindo com a discussão do Orçamento Regional, logo, com dificuldades de agenda em reunir com o Governo Regional. Por sua vez, o Secretário de Estado acaba por reunir com o grupo parlamentar do CDS/PP local e que, resultado desse encontro, noticia que haverá um plano estratégico para a RTP e RDP Madeira, que poderá também envolver o Jornal da Madeira. Pergunto-me, com quem é que esse plano será materializado? Com o CDS/PP? Com outros poderes ou outras personalidades, quando está clarificado e postos de lado alguns planos que envolveriam esse propósito?
Já agora porque será que o CDS que faz “jogo de cintura” com o Governo da República, umas vezes estando do lado daquele Governo e outras não, não usa o seu capital de influência para outras situações mais prementes para a presente conjuntura da Região?

2. Voto do CDS/PP no Orçamento Regional
A votação na generalidade do Orçamento Regional para o ano 2013 clarificou as motivações políticas do CDS/PP Madeira: a demagogia e o eleitoralismo. Alinhado no diapasão dos partidos radicais representados no parlamento regional votou contra a proposta de orçamento, esquecendo que faz parte de um alinhamento político que impos um Programa de Ajustamento Financeiro à Madeira e que, desse plano, adveio medidas severas que também condicionam aquele documento, mas também que implicam esforços na economia e impõem sacrifícios às famílias madeirenses. Uma atitude responsável seria de esperar deste CDS/PP, pelo menos a abstenção no orçamento, que continua a se demitir das responsabilidades inerentes a um partido que integra a coligação no Governo da República.

3. Preocupação da oposição quanto ao PSD
Se houvesse dúvidas quanto ao futuro político da Região ficariam todas dissipadas nas preocupações de toda a oposição sobre a vida interna do PSD/Madeira. Ao invés dos partidos anti-autonomistas organizarem os seus partidos, de modo a construir uma alternativa de poder ao PSD, ficam envencilhados a discutir os processos internos do partido da maioria na Madeira. Está provado que ao PSD/Madeira basta ter a cabeça no seu sítio e não fazer o jogo da oposição para continuar a comandar os destinos da nossa Região.