segunda-feira, outubro 10, 2011

REGIONAIS 2011: Eles não são Tontos

Este texto está divinal (e é de um jornalista da TVI 24 - continental) Eles não são tontos por Filipe Mendonça a Domingo, 9 de Outubro de 2011 às 23:37


Gostava que a Madeira tivesse virado a página. Não virou. Mas compreendo a decisão dos madeirenses. Se vivesse num canto perdido da Calheta ou de São Vicente, talvez estivesse eternamente grato ao homem que me ligou ao mundo, que me mostrou que o Funchal, afinal, é já ali, e que plantou um centro de saúde à minha porta. Talvez. Gostava que a Madeira tivesse virado a página. Mas percebo a escolha dos madeirenses. Se vivesse perdido numa esquina da Ribeira Brava, talvez estivesse eternamente grato ao homem que ergueu a escola para o meu mais novo, ali mesmo ao lado da rotunda - a dois passos cá de casa - e avançou com o subsídio para o mais velho poder estudar em Lisboa, na universidade. Talvez. Jardim ganha porque oprime, gritam os adversários. Jardim ganha porque torna possível, responde o povo. A opressão, para quem não tem pão, é outra coisa. Jardim sabe disso. A história está cheia de homens como ele, mas faltam homens com obra assim. A gratidão esquece a opressão, seja lá o que isso for para gente que há 35 anos vivia na segunda região mais pobre do país, e que hoje levanta a cabeça para falar do segundo canto mais rico de Portugal. É a dívida, gritam os cubanos. A dívida na Madeira está na vida das pessoas, como aqui está nos nossos bolsos. Com uma diferença: a dívida na Madeira tornou possível. E paga-se, aqui ou lá. Está na hora de deixar de olhar para os madeirenses como um bando de iletrados, "semi-tontos", brincou a Helena Matos. Atenção aos resultados desta noite. Jardim ganha, mas tem o pior resultado de sempre. Governa sozinho, mas enfrente a maior oposição da história. O PS, fabrincante da dívida de todos, tem um castigo exemplar. E a esquerda? Desaparece (ou quase) do Parlamento Regional e descansa no discurso de Jardim. "Face a este capitalismo selvagem impõe-se o intervencionismo disciplinador do Estado nos meios financeiros". Bloco e CDU? Para quê? Olhem para os concelhos mais pobres da Madeira e vejam os resultados do PSD. Esmagadores. Os madeirenses são tudo menos "semi-tontos". E em relação à falta de saúde democrática do "regime", outro rasgo de ironia: dos nove partidos concorrentes a estas eleições, oito conseguiram votos suficientes para terem representação parlamentar. Até o partido dos animais (PAN). E nós, aqui no canto iluminado do continente, do alto da nossa intelectualidade, mais não temos conseguido do que meter os cinco de sempre em São Bento. Gostava que a Madeira tivesse virado a página. Não virou. Escreveu outra. Porque os madeirenses são assim. 

sexta-feira, outubro 07, 2011

REGIONAIS 2011: Conclusões Campanha


Terminando a campanha eleitoral para as legislativas regionais 2011, faço uma análise, que se resume cinco pontos, e que, mesmo que a considerem parcial, não poderia fazer de outra forma, tendo em conta os factos e os episódios de campanha:

1.       Injustiça
Esta campanha evidenciou a injustiça, para com um homem, vinda dos partidos políticos, regionais e nacionais, e da comunicação social. Um ataque feroz, que leva a crer ter sido programado, brincando com a seriedade e com a clarividência e a imparcialidade que exigia o momento. O alvo das forças da destruição foi o Dr. Alberto João Jardim.
As atitudes tristes que todos nós assistimos carecem de legitimidade, e só será justificável se, no próximo Domingo, a vontade dos madeirenses for a mudança.
Não é para dramatizar mas todos sabem em que condições pessoais o Dr. Alberto João Jardim assume se recandidatar, sacrificando a sua vida, numa atitude puramente altruísta, e que em nome da Madeira, por quem lutou uma vida inteira, mesmo sabendo das dificuldades, assumiu assegurar o futuro e a estabilidade.
O povo deve-lhe um agradecimento, não só pela obra brilhante que realizou mas sobretudo pela necessidade de ajudar a Madeira neste momento crítico. O homem que deu “nome” à Madeira e dignificou a sua gente com uma relevante obra social, cultural e económica.
É o madeirense com maior credibilidade nas instâncias nacionais e internacionais, e este pormenor não pode ser esquecido e deve ser equacionado no Domingo. Qual dos outros candidatos tem este estofo? Quem mais fez pela Madeira?
Cabe ao povo na urna honrar o seu profundo agradecimento a um homem que ficará para sempre na história da Região.

2.       Democracia
Quando se fala em défice democrático na Madeira, questiono-me se o que aconteceu nesta campanha é ou não democracia? Partidos a se insurgirem em actos oficiais do Governo Regional da Madeira; Nove partidos candidatos às eleições Regionais tendo, todos eles, possibilidades de obterem representatividade no Parlamento Regional; órgãos de comunicação social a enxovalhar a Madeira e os Madeirenses. Existe algum paralelo? Se sim onde? Uma lição de democracia digna de avaliação das mais elevadas instâncias, nacionais e internacionais.

3.       Responsabilidade
Perante os factos, cabe ao povo da Madeira, com responsabilidade, escolher os melhores destinos para a sua Região. Não entro em dramatismo mas havendo uma mudança do cenário político Regional o dia 10 de Outubro será de uma transformação radical que só irá prejudicar a Madeira. Apesar de todos os partidos terem definido o seu objectivo, retirar a maioria absoluta ao PSD Madeira, será que alguém acredita em entendimentos para esses formarem Governo?
O que se pode pedir à população, perante todos os factos e acontecimentos, é decidir com habilidade e responsabilidade, traço característico do Madeirense, saber escolher.
Que Madeira e que dirigentes queremos ter no dia 10 de Outubro?
Que força negociativa queremos dar a um Governo da Madeira, para o momento delicado que enfrentamos?

4.      Degradação Política
Para além de uma Democracia evoluída, estas eleições representaram a degradação de vários partidos e a ridicularização da política. Comportamentos partidários extremistas e criados com propósitos bem delimitados, a palhaçada.
Estes fenómenos, como PND e PTP, apenas surgem porque os partidos históricos e de tradição não conseguem captar aquele eleitorado, refiro-me ao PS, CDS, BE e PCP. Podemos dizer que os partidos da oposição na Madeira são inadequados e ineficientes na sua acção política e falharam redondamente nestes últimos 35 anos.
De referir que, como é óbvio, não abona o clima de tensão para o panorama partidário da Região, seja ele qual for, na sequência de provocações feitas pelos partidos de reacção (PTP e PND). Infelizmente perante a provocação, os sucessivos episódios a única resposta possível. Sim, porque caminhamos para um tempo que não é possível fazer política civilizadamente, onde a contestação, o barulho, os gritos parecem ser a palavra de ordem na política e onde se relegou para segundo plano o debate, as ideias alternativas e os programas dos partidos para o futuro da Madeira.
Confesso que não é isto que quero para a minha terra. O que quero é elevação na atitude e na maneira de estar na política, onde a verdadeira arma é o voto e o verdadeiro argumento são as palavras.

5.       Dia Depois
Depois do dia 9 de Outubro, a Madeira terá obrigatoriamente de se reerguer desta campanha agressiva e profundamente negativa, o inverso do que se congregou com os acontecimentos de 20 de Fevereiro. Essa deverá ser a palavra de ordem.
Para o Domingo, antecipo as reacções do PCS (Partido da Comunicação Social), do PFO (Partido dos Fazedores de Opinião) e dos partidos políticos. Para todos estes, Alberto João Jardim e o PSD Madeira serão sempre os derrotados, mesmo obtendo maioria absoluta e os partidos da oposição serão sempre vencedores.   
Infelizmente é a leitura que se faz à 35 anos, e por via da falta de visão e de uma real análise dos resultados, a oposição de acto eleitoral em acto eleitoral é cada vez mais frágil, está aqui a dificuldade em sair do quadrado.
Eu confio que no dia 9 os Madeirenses farão a melhor opção para um dia 10 de estabilidade e de partida para maior progresso e desenvolvimento. 

terça-feira, outubro 04, 2011

REGIONAIS 2011: Um Prenúncio para o PS Madeira

A reportagem da SIC antecipa o resultado histórico que o PS Madeira prevê obter nas eleições do próximo Domingo:

domingo, outubro 02, 2011

REGIONAIS 2011: Hora da Decisão

Inicia-se hoje a semana da Madeira, a semana que Todos nós somos chamados a reflectir e decidir. Vamos escolher Madeira. Vamos defender a nossa autonomia. Vamos optar pelo rosto da Autonomia e da obra(social, cultural e económica). Vamos decidir pelo mais bem preparado. Vamos votar PSD e em Alberto João Jardim. Esta é a semana decisiva para o futuro: o meu, o teu, o nosso e o da Madeira.