terça-feira, fevereiro 15, 2011

Caça Plataformas Políticas, Artigo Opinião DN Madeira

António Trindade, Licenciado em Ciência Política

Os resultados presidenciais suscitaram cogitações na oposição regional que se resumem em três ideias fundamentais.

A primeira, foi a inviabilização da plataforma democrática do PS/M, acordo esse também responsável pelo desastroso resultado do candidato "oficial" do PS/M nas presidenciais;

A segunda ideia, diz respeito ao clima de tensão gerado para o acordo político e a forma que poderá adoptar.

Será "Plataforma Democrática"? "Juntos pela Madeira"? Que partidos a integrarão?

As posições políticas têm sido extremadas, dignas de registo:
- O PS acusou o PND de usar Coelho para ajustar contas com toda a oposição regional.
- Coelho afirmou que os partidos da oposição regional estão todos metidos nas suas capelinhas;
- O BE está empenhado para todas as convergências, mas remete a decisão, de as integrar, aos militantes.
- Murmura-se mau estar no PND.

Apesar dos esforços, o acordo político resiste em sortir efeitos, e mesmo que se concretize, só poderá acontecer em clima de "paz podre" ou de pleno oportunismo eleitoralista;

Por fim, o terceiro considerando dirá respeito à sobrevivência desses partidos no espectro político regional.

Uma análise partidária dos resultados presidenciais colocaria os partidos em aflição com uma diminuta expressão eleitoral.

A oposição regional está hesitante entre o risco e a desresponsabilização directa perante, um hipotético, mau resultado eleitoral.

Posto isto, aos madeirenses cabe decidir. Para além das motivações partidárias e de grupos, está em causa o futuro da Madeira.