sexta-feira, abril 25, 2008

NOVO LÍDER PSD!

Dê a sua opinião e vote na coluna à direita neste blog.
As directas no PSD estão marcadas para o dia 31 de Maio! O PSD precisa de uma clarificação.
Todos podemos juntar a nossa voz e encontrar uma solução capaz de fazer frente ao GOVERNO TELEPONTO Socialista!

Novo Deputado Eleito PND, Militante do PCP e Fará acordos com o PS

A oposição continua a surpreender na Madeira. Baltasar Aguiar, deputado do PND eleito em Maio de 2007 anunciou a suspensão das suas funções como deputado na Assembleia Legislativa da Madeira, e que o seu lugar passar a ser ocupado por Josá Manuel Coelho.
Mas o mais caricato é as definições políticas deste novo membro da Assembleia Regional. O deputado em entrevista para a RTP-Madeira afirma ter sido eleito pelo PND mas tem ideologia comunista e que pretende fazer acordos com o sr. Prof. João Carlos Gouveia.
É este o estado da oposição sem orientação e projecto! Fica bem ser da oposição e dizer mal.

sábado, abril 19, 2008

Congresso PS/Açores : a Autonomia a Duas Vozes!

Está a decorrer nos Açores o congresso do PS, um congresso que se traduz no inicio da campanha eleitoral na Ilha. João Carlos Gouveia “Presidente” do PS/Madeira também foi convidado e entreviu na reunião do PS/Açores.

Carlos César teve um discurso que reivindica o aprofundamento da autonomia e em entrelinhas a Unidade Diferenciada do estado Português, lançando algumas críticas aos seus companheiros de partido a nível nacional. Na Minha perspectiva esteve bem.

Mas, o que não consigo perceber é a presença e o discurso neste contexto do “líder” do PS-Madeira, um anti-autonomista, anti-desenvolvimento da Madeira e que perde credibilidade no dia a dia no seu partido. Este ainda não percebeu que está noutra sintonia e em outra órbita a anos luz dos seus companheiros do PS/Açores…

Num contexto de reivindicação pela autonomia, marca presença um dos maiores anti-autonomistas, se calhar mais do que os detentores de “altos cargos políticos a nível nacional” de que se queixou Carlos César no seu discurso.

quinta-feira, abril 17, 2008

Directas no PSD – Novo Ciclo

Hoje e após da demissão de Luís Filipe Menezes o PSD inicia um novo ciclo. Um novo ciclo que conta os dias que restam para o grande embate, que são as eleições legislativas nacionais já no próximo ano.

A reflexão do Partido Social Democrata deverá ser rápida, e acima de tudo esclarecedora, tendo em conta o objectivo, derrotar José Sócrates e o Partido Socialista.

Não há tempo para meditar!
Não é tempo dos iluminados do PSD, continuarem no conforto das bancadas da arena, a aplaudir ou a assobiar. É preciso "cortar" as mangas e ir à luta
!

As eleições directas deverão mobilizar todos quantos tenham aspirações de liderar o PSD. Mas devem ser mobilizados sobretudo os melhores, os mais credíveis e aqueles que julgam ser alternativa ao PS.

O PSD deverá ser responsável e deverá encontrar nas directas um líder que possa unir para vencer.
Portugal precisa do PSD!

Não quero mais uma vez um partido desiludido e que desilude Portugal e os seus militantes!
Quero sentir no novo líder e na nova direcção uma força que possa mobilizar Portugal.
Uma energia que possa chamar os portugueses a participar na mudança do país.

Desta vez gostava de ver Marcelo Rebelo de Sousa, Manuela ferreira leite. Pedro passos Coelho, Pedro Santana Lopes, Rui Rio, Aguiar Branco, Morais Sarmento, António Borges, Luís Marques Mendes, António Capucho, Fernando Seara, Luís Filipe Menezes, Mota Amaral, Alberto João Jardim, entre outros, se não poderem ser todos candidatos, todos a contribuir para um partido melhor, maior e preparado para ser Governo.

A JSD deverá também como estrutura autónoma do PSD contribuir activamente com a sua energia, para encontrar uma boa solução para a juventude portuguesa. Uma solução cativante que traga inovação e esperança a TODOS os jovens portugueses.

TODOS PELO PSD! TODOS OS NOTÁVEIS! TODOS OS MILITANTES!

Só Unidos e Convictos nas Decisões Seremos vencedores em 2009.

Se todos no PSD não tiverem esta atitude, tempos muitos dificeis serão reservados ao partido.

segunda-feira, abril 07, 2008

INTERVENÇÃO NO XII CONGRESSO PSD/MADEIRA


Enquanto militante activo no PSD e com funções na estrutura da JSD regional e nacional, não quis deixar de participar e intervir num momento importante, como é o Congresso do PSD abordando aspectos que inquietam a juventude.

O XII Congresso do PSD/Madeira marca as novas definições políticas para os próximos dois anos. Dois anos de trabalho, dois anos de desafios e dois anos de sucessos eleitorais e quiçá de aprofundamento autonómico.

Foi o PSD/Madeira que com um trajecto invejável de vitórias conseguiu juntar à sua força o ânimo de cada madeirense. A autonomia é responsável pela obra notável que lançou a Madeira no caminho do desenvolvimento, na redução das assimetrias, na criação de riqueza que proporcionou mais e melhor qualidade de vida à sua população.

Hoje não se diferencia na forma de ser, de vestir e de agir um jovem do mundo rural e um jovem de uma zona urbana. Este é um exemplo profundo do sucesso do modelo de desenvolvimento e de autonomia traçado por este partido e pelos seus governantes.

Os jovens de hoje são a “Geração Autonomia”, não sentiram as dificuldades que os antepassados viveram, não lhes fecharam as portas que outrora foram fechadas. Hoje TODOS vivemos numa região próspera com igualdade de oportunidades para TODOS.
Mas as conquistas não permitem que as novas gerações se demitam das causas da autonomia, da participação cívica e da luta permanente.
O Alargamento da autonomia é o melhor instrumento de servir a população da Madeira!

Por isso, as novas gerações que são os legítimos herdeiros deste trabalho, de todas estas conquistas deverão dizer BASTA a todos aqueles que querem fazer da autonomia uma “marioneta”. BASTA!
Não admitimos nem aceitamos ser considerados portugueses de segunda e jovens de segunda categoria!

Não consentiremos que de algum modo continuem a atacar os madeirenses com leis prejudiciais que servem a uma certa classe política. Teremos de ser reconhecidos pelas nossas circunstâncias e temos de ser apoiados da mesma forma que um português de Lisboa, do Algarve ou dos Açores.
Somos Portugueses e não admitimos ser discriminados e chamados de “parasitas” do Estado!

Não nos podemos conformar.
Temos um Primeiro Ministro arrogante, uma oposição regional rasca e sobretudo poucos Autonomistas no continente. Teremos de demonstrar, resistir e fazer valer a vontade da população da Madeira.
Este Governo não tem legitimidade nem competência para dar lições de moral à Madeira, porque o único defensor desta população e deste território autónomo é o PSD!



Senhores e Senhoras, Caros Congressistas

Fazemos parte de um país confrontado com grandes carências que são inaceitáveis de um país europeu do Sec. XXI. O Governo da República não dá atenção aos problemas mas subalterniza os verdadeiros desígnios nacionais a meros interesses partidários.

Deparamo-nos com um país sem esperança, um país enganado, um país debilitado.
Se a credibilidade dos políticos e da política não existe, é também devido à falta de coerência deste Governo socialista. Prometeu não aumentar impostos, prometeu criar 150.000 postos de trabalho e verifica-se exactamente o oposto. Mais despesa para as famílias e mais desemprego.
É controverso que tenhamos uma das forças de trabalho menos qualificada da Europa, e ao mesmo tempo exista tanto desemprego qualificado.
É preciso apostar nas competências!

Os jovens estão sem alento fruto de um estrangulamento financeiro. Saem cada vez mais tarde de casa, e o que mais perturba os nossos jovens é que fazem as suas formações, saem das universidades e encontram a porta do desemprego!
Não podemos continuar a formar para o desemprego e a criar cursos para satisfazer as necessidades dos corpos docentes!

Deveremos ser pioneiros no conhecimento, na investigação como factor de diferenciação e apostar no ensino técnico- profissional orientado para o mercado.
Queremos indivíduos verdadeiramente qualificados e não apenas certificados!

Que Futuro! Os jovens são hoje a “Geração Recibo Verde”! Pela necessidade abdicam do subsídio de férias e de natal, de assistência na doença e vivem sem perspectiva de reforma.
Pouco emprego… e esse pouco, é emprego verde!

Por seu lado, as preocupações de certas juventudes partidárias são os casamentos homossexuais, a liberalização das drogas e a eutanásia, relegando para segundo lugar temáticas que afligem os jovens como é o desemprego, a educação, arrendamento jovem, entre outras.
Em que país estamos? Porque nos preocupamos com questões de 5ª dimensão quando ainda não resolvemos os problemas de 1ª Dimensão?

O nosso país precisa de uma nova força!
Portugal precisa de uma nova energia!
O governo socialista não dá soluções, não dá esperanças aos jovens portugueses.


Ao nível comunitário, temos uma União Europeia desinteressante e disfuncional. Os órgãos de decisão estão mais distantes dos seus cidadãos.
Queremos uma Europa mais solidária. Mas, não se promove a coesão social, se colocarmos a competir países, culturas e cidadãos diferentes.
Enquanto compararmos de igual modo os estados membros não promoveremos a coesão social!
A Europa será dos cidadãos quando todos sentirem fazer parte deste projecto comum!



Caros e Caras Companheiros

A oposição do PSD na Madeira, se estivesse no poder teria aplicado um Modelo de Desenvolvimento bem diferente.
Os madeirenses voltariam aos “velhos tempos”. Continuariam a viver isolados, continuariam a andar descalços, demorariam 4 ou 5 horas para chegar ao Funchal, continuariam com elevados índices de analfabetismo, não teriam centros de saúde, escolas, centros cívicos, casas do povo e equipamentos desportivos. Os madeirenses teriam de procurar soluções no estrangeiro para sobreviver, e esta, seria para sempre uma “colónia” dirigida pelo Terreiro do Paço. Discordam do progresso, do desenvolvimento e da melhoria do bem – estar dos madeirenses.
É por estas e por outras, que nem os madeirenses, nem os colegas dos seus partidos a nível nacional lhes passam cartão!

A oposição diz que não há obra social na Madeira e diz que este é o governo do betão. Mas pergunto-vos caros companheiros:
A Saúde gratuita na região, os centros de dia e de convívio não é obra social?
O Voluntariado juvenil o apoio a crianças e jovens em risco não matéria social?
As actividades desenvolvidas por instituições apoiadas pelo Governo Regional e as empresas de inserção social existentes na região não é substância social?
Estes são alguns dos muitos exemplos de actuação social. Só não vê quem não quer ver!

Há uma diferença abismal entre o nosso partido e a oposição. O PSD tem a população do seu lado que sabe o quanto custou a vida “dura” de outros tempos e que reconhece as suas lutas incessantes.

O PSD sempre teve como lema o primado da pessoa humana.

Embora reconhecendo as dificuldades não podemos desistir do futuro do nossa Região e do Nosso País!

É preciso trabalhar mais, inovar mais, ousar mais para conseguir crescer mais!

O novo ciclo que se avizinha precisa do PSD/Madeira, precisa do PSD capaz de liderar e estar sempre lado a lado da população madeirense!

SÓ UNIDOS E CONVICTOS NOS MOMENTOS DE DECISÃO SEREMOS INVENCÍVEIS!

5 de Abril de 2008
António Ascensão da Trindade

sexta-feira, abril 04, 2008

XII Congresso do PSD-Madeira

O congresso do PSD/ Madeira decorrerá amanhã e depois. Um Congresso é sempre um momento de reflexão e debate.

Este congresso reveste-se num simbolismo particular, por ser o último congresso do Dr. Alberto João Jardim como Presidente do partido. Alberto João Jardim o rosto e mentor indiscutível do percurso de glória da Região Autónoma da Madeira, e responsável pelas vitórias e sucesso do partido social-democrata na região definirá os objectivos e a linha política para os próximos dois anos.

A reunião magna do PSD deverá ser também um momento de balanço da sua liderança, e especialmente, de agradecimento pela entrega do seu líder às causas da social democracia e da autonomia nos últimos 30 anos. Penso que todos os militantes do PSD/Madeira, e sobretudo os madeirenses têm a agradecer ao Dr. Alberto João Jardim por ter sacrificado a sua carreira política pela Madeira e pelo aprofundamento da autonomia regional.

Novos desafios se perspectivam a curto e médio prazo no que diz respeito ao futuro líder do partido e candidato em 2011 à Presidência do Governo Regional da Madeira. Certamente não sairá nomes deste congresso, mas estou certo que o perfil do novo líder deverá ser debatido e pensado a partir de então. O PSD/Madeira iniciará uma mudança, outros tempos e outros desafios.

A receita para as novas conjunturas exigem do partido seriedade, competência, ponderação e sobretudo deverá assentar numa estratégia que permita consolidar e ganhar a Madeira em 2011.

Se os militantes pensarem nos madeirenses e na autonomia, certamente irão estar unidos para continuar a ouvir e servir os madeirenses com competência, empenho e responsabilidade.