terça-feira, abril 12, 2005

Perdemos o Homem...O Papa João Paulo II!


O Mundo perdeu recentemente um homem...! Mas... afinal o mundo perde todos os dias homens e mulheres.
O Homem que o mundo perdeu recentemente não foi apenas um Papa, perdeu um homem com muito valor, um homem que quis ser luz para muitos que estavam e que continuam a estar sem rumo e sem destino.
O Papa João Paulo II foi exemplo, exemplo a conduzir a Igreja sem renunciar às suas responsabilidades e obrigações de Chefe da Igreja. Por vezes fraco, débil e com limitações de vária ordem.
É preciso ser corajoso e enfrentar todas as dificuldades e obstáculos que se apresentavam, com a mesma calma e frontalidade e serenidade como se de outra coisa se tratasse.
Percorreu o mundo, de uma forma exemplar, foi até onde a força humana pode levar. Não evitou ir ao encontro daqueles que menos o queriam ter por perto, é verdade... sem dúvida que a sua vocação e a vontade de unir os povos fê-lo atrevido e coragoso.
Uniu os povos, uniu as religiões, uniu os continentes como ninguém. Não temos recordação de um homem que conseguiu unir todo o mundo, ou quase todo o mundo, um homem consensual, com algumas falhas como todos os homens.
Nunca teve medo apesar de ter sido alvo de atentados, sabendo perdoar aqueles que mais lhe quiseram mal... que homem NOBRE!
Não teve medo em pedir desculpa ao mundo pelos pecados dos cristãos e da Igreja ao longo da história.... Reconhecer que erramos deve ser um príncipio humano, e o papa não deixou de reconhecer os erros, os defeitos...
Estas breves palavras descrevem alguns momentos da vida e do Homem Papa João Paulo II, sem dúvida que são poucas para imensidão de bem, do homem que uniu o mundo.
Deixou-nos a lição e a possibilidade de refelectirmos sobre aquilo que queremos para os que nos rodeiam e para o futuro da humanidade.
Valem o que valem... mas deixou-nos um HOMEM REFERÊNCIA...Perdemos um exemplo!

sexta-feira, abril 08, 2005

Congresso das Forças Ocultas

Hoje inicia-se no Pombal mais um congresso do Partido Social Democrata português.
Um congresso que denomino de "Forças Ocultas" por achar que este é mais um e de rotina.
Independentemente do valor dos candidatos a líderes do partido muitos militantes não querem assumir delibradamente o seu apoio aos candidatos à liderança.
Acho que a solução até estaria numa terceira via, não na Terceira Via do Tony Blair, mas sim de uma terceira candidatura.
Compreendo também porque alguns não manifestaram o seu desejo de se candidatar ao congresso.
Talvez porque o partido neste momento está "partido" e dividido.
O PSD alcançou a derrota mais estrondosa da sua história e o cenário das autárquicas poderá não ser o melhor.
Pegar num partido nestas condições neste momento é um acto de coragem, e por isso mesmo é de louvar a atitude dos militantes que até agora tiveram a vontade e coragem de assumir uma candidatura.
O partido e o país neste momento exigirá muito do maior partido da oposição, e face à maioria absoluta do Partido Socialista, o PSD poderá ser uma oposição discreta. Por isso coragem e ideias consolidadas são no meu ponto de vista as palavras de ordem.
Por isso teremos pelo frente, no congresso ou em frente das televisões um fim de semana de discussão política e acima de tudo de discussão de estratégias para o futuro próximo do PSD.
Resta-me desejar que deste congresso possa sair um líder e um partido em fase de progressão, com vontade de se reabilitar e de ganhar novamente a confiança dos portugueses.
Acima de tudo espero que as forças ocultas, aqueles que gostariam de se afirmar e não se afirmam possam ajudar o partido a vençer os desafios futuros....
Nenhum líder pode ir longe sózinho.......

terça-feira, abril 05, 2005

Novo Governo- Da Graça ao Proteccionismo

Portugal tem um novo governo, liderado pelo Engº José Sócrates. As eleições do passado dia 20 de Fevereiro ditaram uma vitória ao Partido Socialista, uma vitória expressiva dando uma maioria absoluta.
Podemos dizer que Portugal virou à esquerda e que o centro direita perdeu. O PSD ficou esmagado quer por motivos internos do partido, quer pelos opinion makers e jornalistas.
Tal como nunca acontece até os jornalistas dão o “Estado de Graça” ao Governo Socialista. Só quem não se lembra dos dias após a tomada de posse do governo do Dr. Durão Barroso? Ou então do “day after” da tomade de posse do Governo do Dr. Santana Lopes? Foi como foi....
Comentários para quê....
Com este governo parece que tudo rema para o mesmo lado, o que é positivo porque Portugal tem de por um ponto final ao “jogo dos partidos” e ao “jogo das eleições” e partir para a recuperação da confiança dos portugueses... MAS QUANDO A ESMOLA É MUITA O SANTO SE ADMIRA....
Que esta graça, que este favoritismo dos media e dos opinion makers não contribua para “afundar” cada vez mais o nosso país. Vamos vendo....


Na verdade os "opinion makers" e jornalistas portugueses são críticos ao PSD e à direita portuguesa.
Muitas vezes questiono-me sobre a fiabilidade que tem os comentários dos nossos jornalistas?
Como é possível prezar a informação se em debates e mesas redondas escolhem-se jornalistas com o mesmo sentido de opinião?
E não é por nada, mas parece-me que esta classe determina as escolhas partidárias, não determina?
Talvez desta vez estes senhores conseguiram finalmente o que aspiravam à muito tempo.... só o tempo dirá.....!!!!